Mãe de dois filhos torna-se a 1ª mulher-bomba do Hamas

Reem Raiyshi, uma palestina de 22 anos, deixou o marido e os dois filhos do casal, atou uma bomba a seu corpo e detonou os explosivos nesta quarta-feira, suicidando-se e matando quatro israelenses. O atentado perpetrado no entroncamento de Erez - entre a Faixa de Gaza e Israel - representa a primeira vez que o grupo islâmico Hamas recorre a uma mulher-bomba."Eu sempre quis ser a primeira mulher a executar uma operação de martírio na qual partes do meu corpo voam para todos os lados", disse Raiyshi em uma mensagem de despedida filmada pelo grupo. "Essa é a única coisa que posso pedir a Deus."Na mensagem, ela sorria discretamente, empunhava um fuzil de assalto e olhava ocasionalmente para um lança-granadas na mesa à sua frente. Atrás, duas bandeiras verdes continham os principais pontos da profissão de fé islâmica: "Não há Deus além de Alá" e "Maomé é seu profeta."O xeque Ahmed Yassin, líder espiritual do Hamas, comentou que o martírio de uma mulher é especial, mas acrescentou que "a guerra santa é uma obrigação de todos os muçulmanos, sejam eles homens ou mulheres" Raiyshi deixa o marido e dois filhos - Doha, de um ano e meio, e Obedia, de três anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.