Reuters
Reuters

Mãe de garoto morto em Cleveland quer que policial seja condenado

No incidente de novembro, Tamir, de 12 anos, estava carregando uma arma de brinquedo que a polícia acreditou ser real

O Estado de S. Paulo

08 de dezembro de 2014 | 20h29

Samaria Rice, mãe de Tamir Rice, garoto de 12 anos baleado por um policial de Cleveland, nos EUA, disse que espera que o oficial seja condenado por ter matado seu filho. Tamir estava carregando uma arma de brinquedo que a polícia acreditou ser real.

O menino foi morto em 22 de novembro. O vídeo de vigilância mostra que ele foi baleado depois de dois segundos que o carro policial parou ao lado dele.

Os advogados da família disseram que querem uma investigação transparente. Enquanto um júri deverá considerar se as condenações são merecidas, o advogado Benjamin Crump, que atuou em outros casos de destaque envolvendo mortes de jovens negros, insistiu que o policial Timothy Loehmann deve ser indiciado sem uma audiência do Grande Júri.

Nas últimas semanas, um júri popular em Missouri decidiu não acusar um policial branco que matou o jovem negro Michael Brown. Em Nova York, outro tribunal teve a mesma resposta em um caso semelhante. "Nós não precisamos de outro júri" insistiu Crump. "Eles podem simplesmente indiciar o oficial."

Outros advogados já entraram com uma ação federal de homicídio culposo contra a cidade em nome da família de Tamir.

Samaria disse que dois meninos vieram até sua porta e contaram que Tamir tinha sido baleado duas vezes no estômago. Ela disse que atravessou a rua e encontrou o filho no chão e sua filha de 14 anos chorando dentro da carro da polícia. De acordo com Crump, a garota contou à mãe que foi algemada por policiais. Uma porta-voz da polícia de Cleveland disse nesta segunda-feira que as autoridades se recusaram a comentar o caso. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EUApolícia Cleveland

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.