AP Photo/Alfredo Zuniga
AP Photo/Alfredo Zuniga

'Mãe de todas as Marchas', na Nicarágua, termina com 2 mortos e 12 feridos

O ataque ocorreu durante a marcha das mulheres que perderamseus filhos em manifestações contra o presidente Daniel Ortega

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2018 | 03h57

MANÁGUA - A "mãe de todas as marchas" em Manágua, capital da Nicarágua, terminou na quarta-feira, 30, com um tiroteio e, pelo menos, duas pessoas morreram e 12 ficaram feridas nas imediações da Universidade Centroamericana (UCA).

O ataque ocorreu enquanto as mulheres que perderam seus filhos em manifestações contra o presidente Daniel Ortega agradeciam os nicaraguenses que acompanharam a caminhada desta quarta em homenagem ao Dia das Mães.

Testemunhas do tiroteio afirmaram que o ataque foi cometido por agentes da polícia vestidos de civis e tropas de choque conhecidas como "mobs", que aguardavam os manifestantes ao lado da marcha. Algumas pessoas disseram temer que atiradores de elite estivessem entre os atacantes, já que no começo só ouviram os tiros, sem identificar os agressores.

A Polícia Nacional informou duas mortes e 12 feridos.

Na data de 30 de maio comemora-se o Dia das Mães na Nicarágua, mas os manifestantes decidiram não celebrá-lo e se uniram ao luto de, pelo menos, 83 mulheres que perderam seus filhos durante os protestos.

+ Após mortes, Ortega enfrenta protestos por fim de autoritarismo na Nicarágua

+ Onda de protestos na Nicarágua deixa mais de 20 mortos, incluindo um jornalista

Juntamente com as mães e seus familiares, marcharam trabalhadores do setor privado, jovens, estudantes universitários, donas de casa, profissionais, comerciantes, camponeses, entre outros, tanto a pé como em automóveis e motocicletas.

A Nicarágua atravessa uma crise sociopolítica que deixou pelo menos 83 mortos desde o dia 18 de abril, segundo a Anistia Internacional. /EFE

+ Desafiando o duradouro governo de um revolucionário

+ Após mortes, Ortega enfrenta protestos por fim de autoritarismo na Nicarágua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.