Mãe sequestra filhos na Holanda para se juntar ao EI na Síria

Segundo procuradoria holandesa, mulher levou os filhos de 7 e 8 anos para Raqqa, capital de facto do grupo terrorista

O Estado de S. Paulo

16 Março 2015 | 10h43

BRUXELAS - A Procuradoria da Holanda informou nesta segunda-feira, 16, que duas crianças holandesas, de sete e oito anos, foram sequestrados pela mãe para levá-las à Síria e somar-se às fileiras do Estado Islâmico (EI).

A polícia e a Procuradoria estudam a existência de uma possível rede de captação de potenciais jihadistas em Maastricht (sudeste do país), onde a mãe dos menores vivia até seu desaparecimento em outubro, informaram os jornais Dagblad De Limburger e Limburgs Dagblad.

A mãe realizou sua viagem à Síria acompanhada por dois de seus quatro filhos. Apesar de haver um mandato de detenção internacional contra ela, a mulher aparentemente conseguiu se unir ao EI no país, segundo informa a cadeia pública "NOS".

Em seu percurso, além de ter passado pela Bélgica, onde supostamente permaneceu dois meses, a holandesa esteve na Grécia, enquanto seus outros dois filhos permaneceram na casa da avó, indica a emissora "RTL".

Após chegar à Síria, a mãe anunciou através de sua conta no Facebook que estava na cidade de Raqqah, a "capital do EI, com seus filhos".

No ano passado, um total de 31 crianças holandesas deixaram o país em direção à Síria com seus pais, dos quais 12 foram por iniciativa própria, segundo o Conselho holandês da proteção de menores.

No caso destas duas últimas crianças holandesas, as autoridades consideram que trata-se de um sequestro por parte da mãe, um caso que nunca tinha ocorrido até agora na Holanda. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Síria Estado Islâmico Raqqa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.