Johann Hattingh/Efe
Johann Hattingh/Efe

Mãe sul-africana admite que filho matou líder radical Terreblanche

Suspeitos se apresentarão na Justiça na terça; movimento Afrikaner planeja manifestações

Agência Estado

05 de abril de 2010 | 13h02

A mãe de um jovem de 15 anos afirmou nesta segunda-feira, 5, que seu filho golpeou, com uma barra de ferro, o líder radical branco Eugène Terreblanche, de 69 anos, após ele recusar a lhe pagar. A polícia disse que o jovem e um homem de 28 anos foram acusados de homicídio e comparecerão à justiça na terça-feira.

 

Veja também:

linkIgreja e grupos cívicos pedem reconciliação

"Meu filho admitiu que eles o mataram", afirmou a mãe, em entrevista exclusiva à agência de notícias Associated Press, em sua casa no município de Tshing, nas proximidades de Ventersdorp. Ela disse que falou com o adolescente na delegacia, no sábado, após o jovem se entregar junto com o suposto cúmplice. A polícia não identificou os suspeitos pelo nome.

O assassinato ocorrido no sábado pode elevar as tensões raciais na África do Sul, às vésperas da Copa do Mundo. Terreblanche liderava o Movimento de Resistência Africânder (AWB), de extrema-direita, que ficou famoso nos anos 80 e 90, quando usava um emblema parecido com a suástica.

O movimento Afrikaner planeja manifestações nas proximidades da delegacia. "Isso foi algo desnecessário", afirmou o irmão de Terreblanche, Andries Terreblanche. "Não somos racistas, só acreditamos na pureza de raça." Os líderes do grupo têm utilizado o assassinato de Terreblanche para arrecadar mais apoio para sua causa.

O secretário-geral do grupo, Andre Visagie, disse no domingo que a morte do líder radical foi "uma declaração de guerra" dos negros contra os brancos. Ele sugeriu que os países não devem enviar equipes de futebol para a Copa do Mundo em uma "terra de assassinatos".

Visagie e outros membros do grupo têm culpado pelo crime o líder do Congresso Juvenil Nacional Africano, Julius Malema, afirmando que um discurso dele levou ao assassinato de Terreblanche. O líder branco morto havia sido considerado culpado por um ataque brutal contra dois trabalhadores negros e sentenciado a seis anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.