Magnata oferece US$1 bilhão pela paz no Oriente Médio

Um empresário de Israel está oferecendo ao premiê palestino 1 bilhão de dólares se ele e seu colega israelense negociarem e alcançarem um acordo de paz no Oriente Médio.O bilionário Avi Shaked, que fez fortuna com sites de apostas online, afirmou que ele aliou-se a um consórcio de financiadores internacionais que estão prontos para injetar dinheiro na Autoridade Palestina se um acordo de paz for acertado.Uma injeção inicial de US$ 100 milhões será feita se o primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, líder do grupo militante islâmico Hamas, e o premiê israelense, Ehud Olmert puderem sentar para negociar.As chances de a iniciativa ter sucesso são poucas. O Hamas defende a destruição do Estado judeu e Israel considera o movimento como um grupo terrorista."A matança precisa ser interrompida", disse Shaked à Reuters em entrevista nesta quarta-feira, 6, para explicar o plano que ele afirma ter aprovação do premiê britânico, Tony Blair."Minha iniciativa é para ambos os líderes: por favor, sentem, comecem a negociar e tentem chegar a um a acordo."No momento em que ambos os lados entrarem em acordo, este grupo investirá imediatamente 1 bilhão de dólares. Os primeiros 10 por cento serão aplicados imediatamente quando as negociações começarem."Shaked, de 53 anos, quer que o dinheiro ajude a recuperar a economia palestina, para colocá-la nos padrões israelenses, deixando ambos os lados no mesmo patamar e eliminando a pobreza que ajuda a alimentar o conflito."Somos quase o mesmo povo, somos primos, porque não podemos começar a conversar", disse o empresário. SançõesHaniyeh, que está fazendo um giro pelo Oriente Médio para tentar levantar dinheiro para seu governo, que ficou os últimos nove meses paralisado por sanções internacionais, teria rejeitado a oferta na terça-feira, de acordo com relatos.Mas Shaked disse que ele entende que Haniyeh e o Hamas, que tem comandado o governo palestino desde que venceu as eleições locais em março, estão avaliando a proposta.O governo israelense foi mais direto em seu comentário sobre a iniciativa. Uma autoridade afirmou que o país já se comprometeu com uma série de propostas que compõem um plano de paz apoiado pelos Estados Unidos."Com todo o respeito, isso não é algo que você faça com o dinheiro de um milionário", disse a autoridade, que pediu para não ser identificada. "Este governo tem responsabilidade perante um eleitorado."Olmert tem dito que não negociará com o Hamas. Em vez disso, ele afirma que conversará com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, líder do Fatah, grupo mais moderado e rival do Hamas.Mas Shaked afirma que está inteiramente comprometido em dar um destino a sua fortuna."Eu ganhei muito dinheiro, e estou pronto para gastá-lo se isso levar à paz", afirmou o empresário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.