Maior autoridade militar do Equador declara apoio a Correa

Forças Armadas e policiais tomaram aeroporto e quartel em protesto contra reformas

estadão.com.br

30 de setembro de 2010 | 13h30

QUITO - O chefe das Forças Armadas do Equador, o general Ernesto González, expressou nesta quinta-feira, 30, seu apoio ao presidente Rafael Correa em meio a protestos de policiais e militares contra um lei do governo que elimina benefícios das forças de segurança, informa a agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkMilitares tomam quartel e aeroporto em protesto

linkCorrea chama militares de rebelados e ingratos

linkPresidente do Banco Central pede calma

 

"Nós estamos em um Estado de direito, estamos subordinados à máxima autoridade que é o presidente da República", disse o máximo comandante militar em uma coletiva de imprensa na cidade de Cuenca, no sul do país. "Vamos tomas as medidas que correspondam com à situação, conforme o governo determinar" para restabelecer a ordem, acrescentou o general.

 

Centenas de policiais e oficiais do Exército ocuparam o principal quartel e o aeroporto de Quito. Com queima de pneus e bombas de gás lacrimogêneo, os oficiais tomaram o Regimento de Quito e destacamentos policiais em Guayaquil e outras cidades.

 

As estradas de acesso à capital estão fechadas. Segundo a televisão local, o aeroporto da capital está fechado após militares tomarem a pista para protestar.

 

Correa propôs ao Congresso uma lei de austeridade para diminuir a burocracia estatal e cortar privilégios de alguns setores do funcionalismo. Deputados do próprio partido do presidente, a Aliança para o País, são contrários à reforma.

linkPresidente do Banco Central pede calma
Tudo o que sabemos sobre:
EquadorCorreaprotestosmilitares

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.