Maior líder xiita do Iraque convoca grande marcha até Najaf

O mais poderoso líder religioso xiita iraquiano, o grão-aiatolá Ali al-Sistani, retornou ao Iraque e convocou uma marcha nacional até a cidade sagrada de Najaf para pôr fim a três semanas de confrontos entre as forças dos Estados Unidos e a milícia do clérigo radical Muqtada al-Sadr. Em respeito a Al-Sistani, militantes leais a Al-Sadr disseram que irão respeitar uma trégua temporária nas regiões por onde o grão-aiatolá passar, com o objetivo de garantir sua segurança. Al-Sistani, de 73 anos, permaneceu mais de duas semanas em Londres, onde se submeteu a uma angioplastia. Ele entrou no Iraque pelo Kuwait e estava com sua comitiva na cidade meridional de Basra, onde iria pernoitar. Al-Sistani reuniu-se com uma delegação do governo interino e mediadores, e disse a eles que as operações militares em Najaf têm de terminar e que o governo não deve invadir a Mesquita do Imã Ali, de acordo com um repórter da Associated Press que assistiu ao encontro. Amanhã, Al-Sistani regressará a Najaf para "pôr fim ao banho de sangue", segundo Al-Sayyid Murthada al-Kashmiri, representante do clérigo em Londres. "Aqueles fiéis que desejarem juntar-se a ele, podem vir", disse Al-Kashmiri. O governador de Basra, Hassan al-Rashid, confirmou que a passeata ocorrerá nesta quinta-feira. "As massas irão se reunir nos arredores de Najaf e não entrarão na cidade até que todos os homens armados, exceto os policiais iraquianos, retirem-se da cidade", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.