Maior parte do espaço aéreo da Europa está aberto

A maior parte dos espaços aéreos das regiões central e norte da Europa está aberta hoje, como na Áustria, Croácia e República Tcheca, após dias de fechamento e caos aéreo por conta das cinzas expelidas pelo vulcão islandês Eyjafjallajokull. Na Dinamarca, o espaço aéreo ficará aberto até 21 horas (de Brasília). Todos os aeroportos da Estônia, Letônia e Lituânia foram abertos na manhã de hoje. O espaço aéreo da Finlândia também foi aberto na manhã de hoje. Na França todos os aeroportos estão em funcionamento. Autoridades de aviação disseram que vão assegurar a realização de todas as decolagens e aterrissagens de voos de longo alcance e 75% dos voos de médio alcance.

AE-AP, Agência Estado

21 de abril de 2010 | 09h42

Mas na Groenlândia, a maior parte do espaço aéreo da parte sul, a mais populosa, continua fechada. Na Hungria o espaço aéreo está aberto desde a manhã de ontem, já na Noruega, os aeroportos deveriam permanecer abertos até pelo menos a manhã de hoje (de Brasília). Os espaços aéreos da Polônia, Sérvia e Montenegro, Eslováquia e Espanha e Suíça também estão abertos.

Mas na Suécia, o aeroporto de Estocolmo foi fechado na noite de ontem e há uma pequena possibilidade que seja reaberto na tarde de hoje. A agência de segurança aérea da Alemanha, a DFS, reabriu completamente o espaço aéreo alemão, informou a agência hoje, acrescentando que não espera a situação provocada pelas cinzas vulcânicas piore ao longo do dia. Com base em informações do serviço meteorológico alemão, a DFS disse que "a contaminação do espaço aéreo diminuiu significativamente e vai continuar a cair ajudado pela situação climática".

Enquanto alguns voos de visão foram permitidos nos últimos dias - voos nos quais os pilotos não confiam plenamente nos controles automáticos e instrumentos - a qualidade do ar agora permite que os voos operem como de costume, disse a DFS. Mais cedo hoje, a Lufthansa informou que pretende ter seus sistemas funcionando plenamente assim que possível e planeja realizar 500 voos hoje. O executivo-chefe Wolfgang Mayrhuber disse, porém, que a empresa aérea vai precisar de cerca de 48 horas para retomar completamente seus serviços.

Mayrhuber disse, durante um evento industrial em Berlim, que as perdas de Lufthansa por causa do caos aéreo foram "consideráveis", mas recusou-se a quantificá-los. Ele disse que não acredita que as empresas precisarão de ajuda do governo, mas que os efeitos das interrupções nos voos precisam ser discutidas. A segunda maior empresa alemã, a Air Berlin, disse que vai retomar normalmente seus voos hoje e espera realizar todos os voos previstos, mas que vai retomar os serviços completamente até ao final da semana.

Tudo o que sabemos sobre:
Europacaos aéreovoos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.