Reuters
Reuters

Desemprego é a maior preocupação das pessoas no mundo atual, aponta estudo

Em pesquisa realizada em 25 países, incluindo o Brasil, cerca de 39% dos entrevistados temem ficar desempregados; corrupção e desigualdade social seguem como preocupações secundárias

O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2016 | 12h42

O Instituto Ipsos divulgou um estudo global sobre as preocupações dos cidadãos e como eles enxergam o rumo que seu país está tomando. Intitulada “What Worries the World” (O Que Preocupa o Mundo), a pesquisa foi realizada em 25 países, incluindo o Brasil.

O estudo aponta que a maior preocupação dos cidadãos, de forma geral, é o desemprego, citado por 39% dos entrevistados. Em segundo lugar está a corrupção, com 32%, seguida pela desigualdade social e pobreza (32%), violência (30%), e assistência médica (22%). Além disso, para 61% dos entrevistados, o planeta está indo na direção errada, contra 39% que veem a situação atual de forma mais positiva.

Dentre as menores preocupações das pessoas estão as mudanças climáticas (8%), a obesidade infantil (3%) e o acesso ao crédito (2%). Além disso, enquanto 14% da população mundial se preocupa com controle de fronteiras e imigração, no Brasil apenas 1% aponta o assunto como algo que os aflige.

Aproximadamente 48% dos brasileiros disseram que a corrupção é o tema que mais os preocupa, seguido por assistência médica (48%) e violência (45%). O desemprego ocupa o quarto lugar, com 43%, e a educação está em quinto (32%). Cerca de 84% dos indivíduos sondados alegaram que o país segue na direção errada.

A China é a nação cujos entrevistados estão mais empolgados com relação ao seu desenvolvimento: cerca de 90% disseram que o país segue no caminho certo. Por sua vez, no México e na França as pessoas estão mais desanimadas, e 89% afirmaram que ambos os países não estão sendo conduzidos da melhor forma possível. Nos EUA, cuja população acabou de eleger o magnata Donald Trump como presidente, 63% acreditam que país está no caminho errado.

A pesquisa também aponta que a percepção referente às preocupações citadas nem sempre está relacionada aos índices reais. Na Espanha, por exemplo, enquanto 71% das pessoas têm no desemprego sua maior preocupação, apenas 19% da população está desempregada de fato.

O mesmo acontece com relação à imigração. Cerca de 38% dos alemães temem a entrada de imigrantes, enquanto apenas 15% das pessoas são de outros países. Ao mesmo tempo, 31% da população da Arábia Saudita é composta por imigrantes, mas somente 3% do país se preocupa com o controle das fronteiras.

 

Tudo o que sabemos sobre:
MedoPesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.