Maior roedor do mundo viveu há milhões de anos no Uruguai

Paleontólogos uruguaios divulgaram adescoberta de uma espécie de roedor até então desconhecida eque seria a maior do mundo, com cerca de uma tonelada, e queteria vivido há milhões de anos na costa oeste do país. As pesquisas realizadas com o crânio do animal, que foiencontrado há duas décadas por um paleontólogo, revelaram queele pesava o dobro do maior roedor conhecido até então,explicou na quarta-feira Ernesto Blanco, 36, cientista queparticipou do estudo. "É uma nova espécie e não há dúvida de que era muitogrande. Pelo tamanho poderia ser como um hipopótamo, mas noaspecto seria semelhante a uma capivara", disse Blanco àReuters. Antes de os pesquisadores concluírem que se tratava de umanova espécie, os restos do animal ficaram cerca de 20 anos noMuseu Nacional de História Natural e Antropologia deMontevidéu, para onde foram levados depois de terem sidodescobertos pelo paleontólogo Sergio Viera numa praia da costaoeste do Uruguai. Alguns anos atrás, no entanto, cientistas começaram adesconfiar de que se tratava de uma nova espécie, a que deram onome de Josephoartigasia monesi, em homenagem ao herói nacionalJosé Artigas e ao paleontólogo Alvaro Mones. A espécie teria vivido entre 2 milhões e 4 milhões de anosatrás. "Uma descoberta desse estilo, nessas condições, éincomum. Sem dúvida pode haver mais fósseis no local", disseBlanco. Segundo o paleontólogo, o animal vivia em bosques próximosa corpos de água doce e pela dentição se alimentava de comidastenras como frutas ou plantas aquáticas. A descoberta foi publicada na revista britânica Proceedingsof the Royal Society B.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.