Jaime Reina/AFP
Jaime Reina/AFP

Maiorca, a ilha que virou refúgio dos alemães na pandemia

Procura por destino disparou após Berlim suspender quarentena obrigatória para turistas que voltassem das Ilhas Baleares

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2021 | 20h00

MAIORCA - Tanya Büscher diz que se sentiu "um pouco" culpada ao reservar sua passagem de avião para Maiorca. Mas o remorso não resistiu às águas turquesa do Mediterrâneo: "não sabemos o que o futuro nos reserva, podem voltar a fechar as fronteiras".

A alemã, de 32 anos, viajou de Dortmund para a maior das Ilhas Baleares depois que a chanceler Angela Merkel desistiu de impor um confinamento estrito durante a Semana Santa.

Em meados de março, as reservas para o arquipélago mediterrâneo dispararam quando o governo alemão suspendeu a quarentena obrigatória para os turistas que retornassem da região, que tem baixa incidência do vírus.

De imediato, o operador turístico alemão TUI duplicou a oferta de voos para Maiorca, enquanto a companhia aérea Lufthansa triplicou as ligações entre Palma e Frankfurt.

Os turistas estrangeiros podem chegar às Ilhas Baleares de avião, com a condição de apresentarem PCR negativo. Os alemães precisam fazer outro teste antes de voltar para casa.

Álcool em gel

O recente aumento nas reservas de forma alguma ameaça saturar a gigantesca capacidade hoteleira de Maiorca. Apenas 13% dos estabelecimentos estão abertos, segundo a federação hoteleira local FEHM.

E embora seja verdade que o número de voos diários no aeroporto de Palma tenha dobrado desde 26 de março em relação às semanas anteriores, ainda é entre 60 e 80% menor que o tráfego de 2019 na mesma época, segundo dados do gestor aeroportuário espanhol AENA.

No hotel Acapulco Playa, no litoral, apenas 10% dos quartos estão ocupados, frente a 90% em uma Páscoa normal, explica Fernando González, diretor comercial da rede hoteleira Gruphotel, uma das principais das Ilhas Baleares, que no momento abre apenas cinco de seus 36 estabelecimentos.

No arquipélago altamente dependente do turismo, onde o PIB local caiu 24% em 2020, os esforços são enormes para receber os visitantes em condições seguras: álcool em gel à vontade nos hotéis e medição da temperatura na entrada dos restaurantes.

Os bares e restaurantes fecham às cinco da tarde, o que garante noites tranquilas, enquanto em Madri - com os bares abertos até às onze da noite - continua a polêmica sobre as festas ilegais nos apartamentos e os excessos de alguns turistas nas ruas.

Uma saída para a economia

“É vital, não há outra solução senão tentar retomar, de forma segura, claro, de forma controlada, um certo mínimo de atividade turística”, afirma Fernando González, que garante que seus clientes, geralmente, vêm "para relaxar, para passear, para ler um livro".

Para Cristian Lafourcade, garçom do restaurante de comidas alemãs Sur Krone, a chegada dos alemães (95% de sua clientela) foi "um alívio total".

Os turistas entrevistados pela Agência France-Presse dizem que todos se sentem "mais seguros" em Maiorca do que em seu país, onde as multidões nas ruas e nas lojas não são incomuns.

“Se seguirmos as regras, tudo vai bem. Fizemos o teste para não trazer o vírus e aqui mantemos nossas distâncias”, explica Charline Osmi, que veio de Hanover com o namorado Omar El Khawaga, “deprimido” devido às restrições causadas pela pandemia.

O casal não disse aos amigos que iam a Maiorca, para evitar comentários desagradáveis. “É preciso aprender a conviver com o vírus”, afirma. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.