Ernesto Guzman/EFE
Ernesto Guzman/EFE

Imigrantes venezuelanos na América Latina enfrentam despejos durante a pandemia, diz estudo

Pesquisadores entrevistaram 1.800 pessoas que vivem em países como Colômbia, Peru e Equador

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2021 | 18h35

BOGOTÁ - Imigrantes e refugiados venezuelanos que vivem na América Latina enfrentam despejos ou risco de expulsão por não poderem pagar os aluguéis devido à pandemia, revelou um estudo de organismos internacionais divulgado nesta quarta-feira, 17.

O relatório indica que "uma grande proporção" dos venezuelanos na América Latina está "em risco de despejo" ou já foi despejado de suas casas, principalmente devido à "impossibilidade de pagar por moradia e serviços públicos".

De acordo com o estudo, 39,8% dos venezuelanos entrevistados haviam sido expulsos, enquanto 38% corriam o risco de serem retirados à força de suas casas.

O relatório, intitulado Pesquisa regional sobre despejos de refugiados e migrantes da Venezuela, é endossado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Unhcr) e pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH).

Suas conclusões são baseadas em 1.800 entrevistas feitas entre outubro e novembro de 2020 com migrantes e refugiados venezuelanos que vivem na Colômbia, Peru, Guiana, Equador, Panamá e República Dominicana.

“À toda essa situação complexa deve-se acrescentar a situação particular da pandemia, que tem um impacto enorme”, disse Julissa Mantilla, da CIDH, durante a conferência virtual de apresentação do documento.

A CIDH “reconhece que existem violações de direitos humanos na causa da migração forçada e na situação dos refugiados durante a passagem pelos diferentes países de trânsito e na chegada ao país de destino”, acrescentou Mantilla, comissária e relatora de direitos dos migrantes da CIDH.

O estudo denuncia que a maioria dos migrantes venezuelanos aluga casas ou quartos com contratos verbais e sem as "condições mínimas".

E se antes da pandemia já existiam "conflitos" pela "falta de oportunidades e meios de subsistência" dos migrantes para pagar os aluguéis, a situação agora é "agravada" pelo desemprego e pela crise sanitária e social gerada pela covid-19, diz o estudo.

O documento também alerta que os despejos também são causados ​​pela “discriminação” contra os venezuelanos e alerta que a situação é pior para os migrantes em situação irregular e para as mulheres porque elas são “mais propensas a sofrer violência e ameaças”.

Os Estados “devem tomar nota desta informação” e cumprir com suas “obrigações primárias” de proteger os migrantes, alertou Mantilla.

Estima-se que mais de cinco milhões de venezuelanos deixaram seu país devido à crise social e econômica pela qual estão passando. A maioria emigrou para outras áreas da América Latina e do Caribe. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.