Maioria dos japoneses quer país sem armas nucleares

Para 80% dos japoneses, o país deve manter a política de três princípios antinucleares, adotada em 1971, que proíbe a posse, produção e presença em território japonês de armas atômicas. Pesquisa divulgada nesta terça-feira no jornal Yomiuri Shimbum informa que apenas 17% dos japoneses acham que os princípios devem ser revistos, apesar do recente teste nuclear da Coréia do Norte, dia 9 de outubro. Os três princípios antinucleares foram adotados quando a Ilha de Okinawa foi devolvida pelos Estados Unidos ao Japão. Como membro do Tratado de Não-Proliferação Nuclear, o país não pode fabricar ou possuir armas nucleares. Boa parte da população ainda se ressente dos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, que provocaram a derrota japonesa na Segunda Guerra Mundial (1939-1945). No entanto, alguns membros do novo governo de Shinzo Abe sugeriram a possibilidade de o Japão possuir armas nucleares, após a ameaça criada pelo rearmamento atômico da Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.