Maioria dos mexicanos não concorda com recontagem de votos

A maioria dos mexicanos não concorda com uma recontagem voto a voto das eleições presidenciais do último dia 2 de julho, como exige o candidato esquerdista Andrés Manuel Obrador, segundo pesquisa divulgada neste sábado. Uma sondagem telefônica do jornal Reforma mostrou que 60% dos entrevistados não consideram necessária uma recontagem de cada cédula emitida, e somente 37% estão de acordo com o levantamento. Além disso, 60% consideram confiáveis os resultados difundidos pelo Instituto Federal Eleitoral (IFE), e que deram o maior número de votos ao candidato conservador do Partido de Ação Nacional (PAN), Felipe Calderón. Segundo a sondagem, realizada na quinta-feira passada e com a participação de 605 adultos, a maioria dos entrevistados, 75%, confia na imparcialidade da IFE. A pesquisa, com uma margem de erro de 4%, levou em consideração uma hipotética segunda eleição presidencial. O resultado mostrou que Calderón teria uma vantagem sobre seu oponente, com 46% contra 33% dos entrevistados. Manifestação Obrador, do Partido da Revolução Democrática (PRD), impugnou o resultado das eleições, que considera fraudulentas e convocou para este domingo uma manifestação na praça principal da capital mexicana, como forma de protestar contra a "fraude" e exigir a recontagem, uma a uma, das cédulas. O Tribunal Eleitoral tem como prazo o dia 31 de agosto para resolver a questão e 6 de setembro para anunciar o presidente eleito. Os dirigentes do PRD asseguram que mais de 50 mil de seus simpatizantes se mobilizam de todos os Estados da República para participar no domingo da marcha de protesto, que insistem que será pacífica. Em sua passagem por Cidade Victoria, no Estado de Tamaulipas, alguns dos partidários do líder esquerdista que se dirigem à Cidade do México causaram destruição e saquearam alimentos e bebidas de um restaurante, afirmaram neste sábado autoridades locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.