Maioria dos norte-americanos não lê blogs políticos, diz estudo

A maioria dos norte-americanos não lêblogs de política -- os comentários on-line que proliferaram nacorrida pela presidência dos Estados Unidos --, de acordo com oresultado de uma pesquisa liberado na segunda-feira. Somente 22 por cento das pessoas consultadas disseram quelêem blogs regularmente, ou seja, diversas vezes ao mês oumais, de acordo com a sondagem conduzida pela HarrisInteractive. Blogs políticos, nos quais escritores, especialistas eoutros participantes emitem opiniões em fóruns de discussõeson-line, ganharam notoriedade nas campanhas presidenciais de2004 e 2008. Alguns dos blogs de alto nível influem nasestratégias de campanha, nas coberturas de mídia e na percepçãopública dos candidatos e dos assuntos. Diferentemente da grande imprensa, os blogs normalmenteadotam um ponto de vista específico. Críticos queixam-se do usode fatos não checados, da edição pobre ou do uso de fontes nãoconfiáveis. Apesar da atenção que os blogs podem despertar, a pesquisadisse que 56 por cento dos americanos dizem que nunca lêemblogs que discutem política. Outros 23 por cento os lêemdiversas vezes por ano. Enquanto os blogs são largamente considerados o reino dosjovens, que dominam a interne, apenas 19 por cento das pessoascom idade entre 18 e 31 anos, e 17 por cento dos que têm entre32 e 43 anos lêem regularmente um bolo político, segundo apesquisa. A geração que mais lê blogs de política é a das pessoas com63 anos ou mais: 26 por cento deles são leitores. Na faixaetária entre 44 e 62 anos, 23 por cento das pessoas afirmam lerblogs de política, disse o estudo. Um número aproximadamente igual de eleitores democratas erepublicanos lêem blogs políticos regularmente: 22 por centodos republicanos e 20 por cento dos democratas. Entre oseleitores independentes, 26 por cento também os lêem na mesmafreqüência, mostrou a pesquisa. O estudo foi conduzido com 2.302 adultos entre os dias 15 e22 de janeiro. A Harris disse que não calcula ou fornecemargens de erro por acreditar que podem dar impressões erradas.(Reportagem de Ellen Wulfhorst)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.