Maioria dos palestinos diria ´não´ em plebiscito

A grande maioria dos palestinos apóia um plano que reconhece implicitamente a existência de Israel, mas uma pesquisa revela que só 47% votariam a seu favor no plebiscito convocado pelo presidente Mahmud Abbas para 26 de julho. De acordo com o Centro Palestino para Políticas e Pesquisa, quase 75% dos consultados aprovam o Plano dos Prisioneiros, elaborado por palestinos detidos em Israel - incluindo líderes do grupo islâmico Hamas e da Fatah (partido de Abbas). No entanto, 44% votariam contra porque acham que Abbas está usando o plano em sua luta de poder com o Hamas. O Hamas derrotou a Fatah nas eleições de janeiro e assumiu o governo em fins de março. No entanto, EUA e União Européia classificam o grupo como terrorista e suspenderam a ajuda de centenas de milhões de dólares aos palestinos. Israel também deixou de repassar à Autoridade Nacional Palestina US$ 55 milhões mensais referentes a impostos cobrados de produtos importados pelos palestinos. Isto porque o Hamas não aceita a existência de Israel e se recusa a abandonar a luta armada. Em meio à crise econômica, Abbas convocou o plebiscito, mas continua negociando o apoio do Hamas ao plano. Segundo dirigentes da Fatah e do Hamas, um acordo está próximo. Nesta segunda-feira, o governo palestino começou a pagar a parcela dos salários atrasados dos funcionários públicos com dinheiro de contribuições de países e entidades islâmicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.