Mais 150 fogem para a Turquia por temer represálias do regime sírio

Mais de 400 sírios já cruzaram a fronteira; número de refugiados pode aumentar

Efe

08 de junho de 2011 | 09h06

ANCARA - Cerca de 150 cidadãos sírios fugiram nas últimas 24 horas à vizinha Turquia, por temer represálias do Exército da Síria, subindo para 400 o número de refugiados neste país, segundo o prefeito de uma cidade turca próxima do limite dos dois países.

 

Veja também:

especialA revolução que abalou o Oriente Médio

 

Segundo Kemal Dagistanli, prefeito da localidade fronteiriça de Yayladagi, no extremo sul da Turquia, apenas desde a noite de terça-feira, 7, cruzaram a fronteira cerca de 120 pessoas. "Já havia ao redor de 250 sírios no acampamento, e seguem chegando grupos", assegurou o prefeito, em entrevista à Efe.

 

"Nosso maior temor é que vá chegando mais gente se não houver uma reconciliação na Síria", acrescentou Dagistanli. Os sírios que conseguiram cruzar a fronteira contam que temem sofrer represálias do regime de Bashar al-Assad, que está reprimindo com violência as revoltas populares. Desde meados de março, mais de 1,2 mil pessoas já morreram nos confrontos com as forças militares do país.

 

De acordo com a Efe, cerca de 35 refugiados sírios estão hospitalizados em várias clínicas de Hatay, província turca vizinha à Síria. Além desse, há um grupo de 200 "potenciais refugiados", que se encontram no lado sírio da fronteira esperando para atravessar à Turquia, informa a agência de notícias turca Anadolu.

 

Há nesse grupo, segundo a agência, em torno de 20 feridos, dois deles em estado grave. Eles teriam conseguido atravessar a fronteira para receber tratamento em hospitais da região.

 

Por outra parte, os moradores da aldeia fronteiriça de Guvecci estão enviando pão e cobertores a um povoado sírio próximo. A Anadolu assegura que o Exército turco aumentou sua presença ao longo da fronteira com a Síria por razões de segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.