Mais 33 mortos em choques no Afeganistão

Violentos confrontos ocorridos no sul do Afeganistão provocaram a morte de pelo menos 33 pessoas, sendo 29 supostos rebeldes, dois soldados britânicos e dois militares afegãos, informaram autoridades locais nesta terça-feira. No norte do país, um militante suicida detonou um carro-bomba e provocou a morte de dois civis.As 33 mortes no sul afegão ocorreram durante a mais ampla ofensiva militar contra rebeldes desde a queda do regime liderado pela milícia fundamentalista islâmica Taleban, no fim de 2001. Mais de 250 supostos militantes morreram na região desde 15 de junho, quando começou a operação, segundo informações divulgadas pelo comando militar americano.Soldados britânicos foram atacados na manhã desta terça-feira no Vale de Sanjin, na província de Helmand, onde a Grã-Bretanha possui cerca de 3.300 soldados. Dois militares britânicos morreram e um ficou ferido no incidente, disse o capitão Drew Gibson. Cinco supostos rebeldes também perderam a vida no episódio.Em Musa Qala, a cerca de 30 quilômetros de Sanjin, rebeldes promoveram uma emboscada contra uma patrulha militar afegã, disse o general Rahmatullah Roufi, comandante do Exército do Afeganistão no sul do país. Dois soldados afegãos e 11 supostos membros do Taleban morreram no episódio, disse Roufi.Na província de Uruzgan, também no sul do país, soldados americanos e afegãos mataram dez supostos rebeldes em um galpão aparentemente usado para fabricação de armas, informou o comando militar americano.Em Ghazni, ao sul de Cabul, um choque entre policiais e supostos insurgentes provocou a morte de três rebeldes, disse Thafseer Khan, comandante da polícia local. Três policiais ficaram feridos no incidente.Na província Kunduz, no norte afegão, dois civis morreram e oito ficaram feridos quando um militante suicida detonou um carro-bomba perto de uma equipe estrangeira engajada na reconstrução local, informou a polícia local. Todas as vítimas eram afegãs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.