Mais brasileiros deverão sair de Amã e Damasco nas próximas horas

Cerca de 160 brasileiros que estão nas capitais da Síria (Damasco) e da Jordânia (Amã) deverão seguir em comboios do Itamaraty para Adana, na Turquia entre esta sexta-feira e sábado. Eles se juntarão aos 52 passageiros do comboio que saiu de Beirute, capital do Líbano, na manhã desta sexta-feira para embarcar no avião da Força Aérea Brasileira, com destino ao Brasil, às 8h de domingo (horário local), 23 de julho. Segundo a assessoria do Itamaraty, não se sabe o número exato de pessoas que embarcarão nas duas cidades, pois este só será conhecido no momento do embarque. De acordo com o órgão, no primeiro comboio organizado, estimava-se que haveria passageiros para encher quatro ônibus, porém, apareceram pessoas apenas para três deles. Na Turquia, terão prioridade de embarque no vôo aqueles que não possuem bilhetes para o retorno ao Brasil. Aqueles que já tiverem passagens receberão auxílio do Escritório de Apoio Consular do Itamaraty em Adana para remarcação dos bilhetes junto às respectivas companhias aéreas. Mais de 300 pessoas, a maioria civil, morreram no Líbano desde o início dos ataques de Israel, no último dia 12. Destes, sete são brasileiros. Segundo estimativas do Consulado do Brasil no Líbano, 70 mil cidadãos brasileiros residem no país. As ações do Itamaraty fazem parte de uma megaoperação que começou nesta sexta para retirar cerca de 1.300 brasileiros da região do conflito no Oriente Médio. Na terça-feira à noite, dia 18, após 14 horas de vôo, 85 brasileiros que estavam no Líbano conseguiram chegar ao Brasil, na Base Aérea de São Paulo, em Guarulhos. Para sair do país, eles lotaram um ônibus que foi escoltado pelo exército do Líbano até a fronteira com a Síria. De lá, o veículo seguiu para a Turquia, onde os passageiros foram embarcados em um avião da FAB para Recife e de lá para São Paulo.Um segundo avião da FAB partirá para Adana no sábado, dia 22, para buscar, preferencialmente, aqueles que não possuem passagens aéreas.O Itamaraty continua as negociações com governos de outros países para identificar alternativas, particularmente a via marítima, para acelerar a retirada dos cidadãos brasileiros que queiram deixar o Líbano.Desde o último dia 12, Israel vem realizando ataques no Líbano, depois que o Hezbollah matou oito soldados de Israel e capturou outros dois para trocá-los por prisioneiros. O país também realiza uma ofensiva em Gaza, que começou após militantes ligados ao Hamas terem capturado um soldado israelense em 25 de junho em um ataque próximo à fronteira. Mais de 119 palestinos foram mortos desde então, segundo informou a ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.