Mais cinco soldados norte-americanos mortos no Iraque

A explosão de bombas à beira de uma estrada matou cinco soldados norte-americanos, quatro deles de uma só vez em uma província a noroeste de Bagdá, informa o exército iraquiano nesta segunda-feira, 26. Soldados iraquianos e norte-americanos tentam conter os ataques insurgentes que mesmo esparsos continuam. Na cidade de Bagdá o clima é tenso. Civis armados abrem fogo contra soldados iraquianos. Os prédios da cidade velha servem como refúgio para os insurgentes no lado oeste do Rio Tigre. Ao leste, dois civis foram mortos e outros quatro foram feridos, disse a polícia iraquiana.Os confrontos entre os civis armados e os soldados iraquianos nos arredores de Fadhil, em Bagdá, começaram por volta da 13h30 de domingo, 25, quando os ataques às posições do exército iraquiano forçaram soldados a chamar a assistência, relatam oficiais iraquianos. Os norte-americanos, por sua vez, alegam que não registraram a batalha. Um coronel do exército da brigada iraquiana diz que os civis armados continuam atirando contra o exército em locais determinados e que os carros oficiais respondem da mesma forma, com tiros. Segundo ele a situação se acalmou no cair da tarde, mas conflitos esporádicos continuam. Em Diyala, zona religiosa e livre de conflitos nos últimos meses, quatro soldados norte-americanos foram mortos e dois outros, feridos, conforme o relato oficial iraquiano, quando uma explosão destruiu seu carro de guerra. Um soldado foi morto e outro ferido com a explosão de uma bomba à margem de estrada à noroeste de Bagdá, enquanto eles procuravam bombas, informa o exército iraquiano.Milhares de reforços norte-americanos estão sendo enviados para a capital em diversas áreas para ajudar o exército iraquiano a dispersar a violência sectária, que cresceu após a explosão de uma bomba no templo muçulmano em Samarra no ano passado. São 3.239 membros do exército norte-americano mortos desde o começo da Guerra do Iraque, em março de 2003. 114 morreram desde que o início da operação de segurança em 14 de fevereiro, de acordo com a Associated Press.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.