REUTERS/Jorge Silva
REUTERS/Jorge Silva

Mais da metade da população do Afeganistão vai sofrer de insegurança alimentar neste inverno

Cerca de 22,8 milhões de afegãos estarão este inverno em situação de insegurança alimentar aguda, levando o país a uma das piores crises humanitárias do mundo, alertam agências da ONU

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2021 | 08h00

Cerca de 22,8 milhões de afegãos, mais da metade da população do país da Ásia Central, estarão em grave insegurança alimentar neste inverno, colocando o já instável país à beira de uma das piores crises humanitárias do mundo, alertaram as agências da ONU nesta segunda-feira, 25. 

“Neste inverno, milhões de afegãos serão forçados a escolher entre migração e fome, a menos que possamos intensificar nossa assistência para salvar vidas”, disse David Beasley, diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentação (PMA), em uma declaração emitida em conjunto com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

A crise no Afeganistão já excede as enfrentadas pelo Iêmen ou pela Síria e é pior do que qualquer emergência de insegurança alimentar fora da República Democrática do Congo.

“O Afeganistão está agora entre as piores crises humanitárias do mundo, se não a pior, e a segurança alimentar quase entrou em colapso”, disse Beasley. 

“Estamos em contagem regressiva para a catástrofe e, se não agirmos agora, teremos um desastre total em nossas próprias mãos", continuou.

De acordo com a declaração emitida pelo Programa Mundial de Alimentação e pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, um em cada dois afegãos está enfrentando uma “crise” de fase 3 ou uma “emergência” de fase 4 de escassez de alimentos. 

A fase 4 está um passo abaixo da fome. As autoridades enfatizaram que o país, já lutando para sair de uma guerra civil de 20 anos, está enfrentando seu pior inverno em uma década. 

Em agosto, o Taleban derrubou o regime apoiado pelos EUA e declarou um governo interino, prometendo restaurar a estabilidade.

Além disso, o grupo enfrenta uma série de sanções internacionais e uma campanha de ataques sangrentos do grupo terrorista Estado Islâmico, enquanto as mudanças climáticas tornaram os períodos de seca no Afeganistão mais frequentes e intensos. 

No oeste do país, milhares de famílias pobres já venderam seus rebanhos e fugiram em busca de abrigo e assistência em acampamentos temporários lotados perto das grandes cidades. 

“Estamos tentando tirar nosso pessoal da situação atual e ajudá-los. A ajuda humanitária global também chegou”, disse o porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, à AFP no domingo.

“Estamos tentando nos organizar e distribuir, incluindo alimentos e roupas. Todas as preocupações serão resolvidas”, prometeu Mujahid. 

“Com relação à seca, esperamos ter um inverno úmido. Mas se a seca continuar, tomaremos as medidas apropriadas na primavera”, acrescentou o porta-voz. 

As agências da ONU advertiram que seu plano de resposta humanitária recebeu apenas um terço do  financiamento necessário.

A FAO está buscando US$ 11,4 milhões, cerca de 9,7 milhões de euros, em financiamento de emergência e outros US$ 200 milhões, cerca de 171 milhões de euros, para a temporada agrícola até 2022. 

“A fome está aumentando e as crianças estão morrendo. Não podemos alimentar as pessoas com promessas; os compromissos de financiamento devem ser transformados em dinheiro”, advertiu Beasley.

“A comunidade internacional deve se unir para enfrentar esta crise, que está rapidamente ficando fora de controle”, enfatizou o diretor-executivo do Programa Mundial de Alimentos. /AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistão [Ásia]fomeTaleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.