Mais de 1 milhão de colombianos vivem na miséria, diz ONU

A guerra civil na Colômbia está deixando mais de um milhão de pessoas em condições de "miséria extrema". O alerta foi feito ontem pela ONU, que em um relatório apontou que existem cerca de 1,5 milhão de colombianos que foram obrigados a deixar suas casas por causa dos conflitos em algumas regiões do país. A população de refugiados internos na Colômbia é a terceira maior do mundo e é superada apenas pelo Sudão e Angola. O problema é que, dos 1,5 milhão de refugiados, 80% estão agora em uma situação de pobreza e 20% passam fome todos os dias. A ONU explica que a maioria dessas pessoas que foram obrigadas abandonar suas propriedades eram agricultores antes de fugir. Muitos produziam mais de 80% dos alimentos que consumiam. Com a fuga para locais mais seguros, a possibilidade de plantar seus próprios alimentos ficou limitada. "O máximo que essa população consegue agora é plantar cerca de 3% de tudo o que consomem. O resto precisam comprar ou esperar que as agências humanitárias tragam alimentos", explicou uma porta-voz da ONU. O problema, continua a avaliação da ONU, é que a renda desses colombianos também diminuiu depois que foram obrigados a deixar suas terras. "Sem a possibilidade de plantar e com uma renda menor, o resultado está sendo a fome e a miséria", afirmou a ONU. Mesmo entre aqueles que encontraram emprego, muitas vezes a violência do conflito impede que possam se deslocar aos locais de trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.