Chris Jackson/AFP
Chris Jackson/AFP

Mais de 1 milhão de doses contra covid podem ser jogadas após acordo de Israel e Reino Unido falhar

Imunizantes com validade até o final de julho seriam enviadas de Israel ao Reino Unido, mas detalhes técnicos impediram a concretização das negociações

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2021 | 15h00

Mais de um milhão de doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BionTech armazenadas em Israel e com validade até o final de julho podem ser jogadas fora depois que as tentativas de negociar um acordo de troca com o Reino Unido falharam, informou o jornal britânico The Guardian nesta sexta-feira, 2.

Israel teria oferecido as doses ao Reino Unido em troca de um número semelhante de vacinas que o Reino Unido deve receber da Pfizer em setembro. As autoridades de saúde querem vacinar o máximo da população adulta possível antes que as restrições contra a covid sejam suspensas na Inglaterra no final deste mês.

Na quinta-feira 1, o Canal 12 de Israel disse que as negociações com o Reino Unido estavam em estágio avançado. Mas autoridades israelenses disseram mais tarde que problemas técnicos atrapalharam o negócio. "Houve discussões entre Israel e o Reino Unido sobre a possibilidade de troca de vacinas, mas infelizmente, apesar da vontade de ambas as partes, por motivos técnicos, não deu certo", disse um porta-voz do ministério de Relações Exteriores.

Segundo o Canal 12, a Pfizer rejeitou um pedido de Israel para estender a data de validade das vacinas, justificando que não poderia garantir que as doses estariam seguras depois de 30 de julho. Até agora, não há perspectiva de que o Reino Unido queria fazer um novo acordo de troca com outros países, segundo o The Guardian.

A Organização Mundial da Saúde orienta os países a não descartarem nenhuma dose de vacinas contra a covid-19 que esteja perto da validade, ou mesmo vencida, até que saiam os resultados de uma pesquisa para saber se os imunizantes ainda poderiam ser úteis por mais tempo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.