Mais de 100 mil já morreram na Síria, dizem ativistas

Mais de 100 mil pessoas já foram mortas desde o início da guerra na Síria há dois anos, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que acompanha o número de mortos no conflito através de uma rede de ativistas no país.

Agência Estado

26 Junho 2013 | 16h25

O grupo disse que a guerra já soma um total de 100.191 mortes ao longo de 27 meses. O chefe do Observatório, Rami Abdul-Rahman, acredita que o número real seja maior, já que nenhum dos lados têm informações completas sobre suas perdas.

Entre os mortos, 36.6661 eram civis; do lado do governo, 25.407 eram membros das Forças Armadas do presidente Bashar Assad, 17.311 eram combatentes pró-governo e 169 eram militantes do Hezbollah, grupo xiita libanês que luta ao lado de tropas do Exército. Entre os oponentes de Assad, 13.539 mortos eram rebeldes, 2.015 desertores do Exército e 2.518 eram combatentes estrangeiros lutando contra o regime.

A Organização das Nações Unidas (ONU) indicou que o número de mortos até o final de abril chegavam a 93 mil. O governo sírio ainda não divulgou o total de mortes.

Abdul-Rahman disse que a contagem de vítimas feita pelo grupo é baseada em informações de fontes médicas militares, registros obtidos por agências estatais e por funerais militares. Outra fonte são vídeos de ativistas mostrando soldados mortos em áreas controladas pelos rebeldes, que são posteriormente identificados. Fonte: Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Síriaviolênciamortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.