Mais de 100 pessoas protestam contra golpe em Bangcoc

Mais de cem manifestantes denunciaram, nesta sexta-feira, o golpe militar que depôs o premier Thaksin Shinawatra, como antidemocrático, na primeira demonstração contra o golpe desde a deposição de Thaksin, na noite da terça-feira. "Não chame isso de reforma, é um golpe!", afirmava o cartaz de um dos manifestantes, que se reuniram em diversos grupos dispersos para evitar a restrição militar que bane reuniões públicas de mais de cinco pessoas. O protesto aconteceu do lado de fora do shopping center mais sofisticado da cidade, Siam Paragon, que fechou temporariamente durante a manifestação de uma hora.Os manifestantes dispersaram depois, e aparentemente não houve presença policial ou militar. Os organizadores do protesto disseram que sete pessoas foram detidas, mas o porta-voz da polícia de Bangcoc, Pinit Maneerat disse que ninguém foi preso. Desde o golpe na terça-feira, os líderes golpistas anunciaram uma série de medidas para aumentar o controle sobre a população até que o governo interino esteja consolidado. Além de banir encontros públicos, a mídia também sofreu restrições. Uma manifestante, Chutimas Suksai, estudante de 27 anos, disse ter tentado acessar sites de notícias estrangeiros, mas não obteve sucesso. "Acho que mesmo quando você tem um golpe, você deveria ter liberdade de expressão", afirmou a estudante. Krich Aremcharoen, outro estudante, de 33 anos, disse ter antecedido outros protestos. "Acho que somos a primeira onda", disse. "Não me importo em ser preso. Precisamos de pessoas que se dedicam às nossas crenças."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.