Mais de 100 soldados dos EUA morrem no Iraque em abril

Cinco soldados dos Estados Unidos foram mortos no Iraque durante o fim de semana, disse o Exército nesta segunda-feira, 30, elevando a mais de 100 o total americanos mortos neste mês. Este é o mês mais letal para as tropas dos EUA no Iraque neste ano, e um dos mais letais desde o começo da guerra. O índice aumentará a pressão sobre o presidente George W. Bush, que enfrenta um plano dos democratas para estabelecer um prazo para a retirada das forças dos EUA do Iraque. Bush prometeu vetar uma lei democrata sobre gastos da guerra, que exige o início da retirada dos soldados até 1º de outubro. O Congresso, controlado por democratas, planeja mandar a lei para Bush nesta terça-feira, 1º. Os militares dos EUA disseram que três soldados e um intérprete iraquiano foram mortos na explosão de uma bomba detonada na margem de uma estrada, no leste de Bagdá, no domingo. Um marine foi morto na província de Anbar no domingo e outro soldado foi morto por tiros de armas leves no leste de Bagdá, no sábado. Forças dos EUA e iraquianas lançaram uma grande ação de segurança em Bagdá em meados de fevereiro, considerada a última tentativa de evitar que o Iraque entre em guerra civil total entre a maioria xiita e a minoria sunita. Mais de 3.330 soldados dos EUA e dezenas de milhares de iraquianos morreram desde a invasão do país em 2003. A violência também segue fazendo vítimas entre o povo iraquiano. Carros-bomba explodiram em Bagdá e outras áreas do país nesta segunda-feira, 30, e pelo menos 29 pessoas morreram ou foram encontradas mortas.O pior ataque ocorreu no oeste de Bagdá, onde um carro repleto de explosivos detonou pouco antes das 17h (hora local) em uma área residencial do bairro de Baiyaa. Cinco civis morreram e outras dez ficaram feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.