Mais de 1000 mortos no Haiti; corpos representam risco

Forças de paz da ONU fizeram disparos para o alto a fim de manter uma multidão faminta à distância enquanto trabalhadores humanitários distribuíam as primeiras porções de comida servidas nos últimos dias à população da cidade de Gonaives, devastada pela tempestade Jeanne. Oposição popular atrasa o sepultamento coletivo de mais de 800 corpos empilhados do lado de fora dos necrotérios, causando o temor de doenças.Apenas em Gonaives cerca de 1000 pessoas são dadas como desaparecidas nas enchentes provocadas pela tempestade, e segundo as autoridades o número de vítimas ainda vai subir.A Cruz Vermelha e representantes do governo se reuniram hoje para discutir o destino dos cadáveres em decomposição. O conselheiro governamental Carl Murat Cantave disse que funcionários da Cruz Vermelha foram apedrejados por populares ao levar um caminhão cheio de corpos ao cemitério. Muitos haitianos crêem que, sem um enterro decente, o espírito do morto pode voltar e se vingar da família.Carcaças de porcos, cães e cabras flutuam nas águas, aumentando a ameaça à saúde da população.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.