Mais de 100.000 egípcios protestam contra guerra

Mais de 100.000 pessoas reuniram-se no principal estádio do Cairo, nesta quinta-feira, e protagonizaram a maior demonstração já realizada no país contra as ameaças norte-americanas de guerrear com o Iraque, informou a polícia.Organizadores estimaram a multidão em 170.000 pessoas."Estamos aqui porque não podemos assistir passivamente enquanto nossos irmãos e irmãs são mortos na Palestina e estão prestes a serem assassinados no Iraque", disse Safeya Mohamed, um estudante de 20 anos proveniente da Ismailia, no Canal de Suez.Os manifestantes começaram a chegar ao estádio nas primeiras horas do dia, em caravanas vindas de diversas regiões do país. Alguns gritavam "derrubem os EUA"; outros chutavam efígies do presidente norte-americano, George W. Bush. Muitos manifestantes também levaram bandeiras iraquianas e palestinas.O sentimento antiamericano está altíssimo no Egito, devido aos planos do governo Bush de atacar o Iraque e à percepção de que Washington apóia Israel no conflito entre o Estado judeu e os palestinos.A manifestação foi organizada por diversos grupos e contou com a aprovação do governo egípcio, que deslocou um grande contingente de policiais para evitar que a manifestação pela paz acabasse em violência."Se o senhor Bush acredita em democracia, ele deveria ouvir a voz da maioria, que diz não à guerra", comentou o líder islâmico Omar Azzam."Ele se perde pelo petróleo, interfere em nossos assuntos sob o pretexto dos direitos humanos e quer nos dar lições sobre democracia - Bush é a arrogância encarnada", disse o professor Salem Fawzi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.