Mais de 165 taleban morrem no Afeganistão

Violetos combates antecedem encontro do presidente afegão; Hamid Karzai, com Bush nos EUA

Efe e Associated Press,

26 de setembro de 2007 | 08h12

Duas batalhas no sul do Afeganistão mataram mais de 165 insurgentes Taleban e um soldado das forças de coalizão, segundo informações confirmadas nesta quarta-feira, 26. A grande ofensiva aconteceu no mesmo dia em que o presidente afegão, Hamid Karzai, se prepara para encontrar o presidente americano, George W. Bush, e discutir a escalada de violência no país.   O primeiro confronto começou na terça-feira, quando dezenas de militantes atacaram um comboio de militares com armas, morteiros e foguetes na região da cidade de Musa Qala, na província de Helmand, controlada pelo Taleban.   A coalizão respondeu ao ataque de pediu reforço aéreo. A retaliação matou mais de 100 taleban. Em nota, as forças confirmaram a morte de um soldado e outros quatro feridos. O comunicado diz ainda que não há até o momento informações sobre vítimas civis.   Outro combate, também na terça-feira, durou seis horas, na província de Uruzgan, e terminou com a morte de mais de 65 insurgentes. Uma patrulha combinada de tropas americanas e afegãs foi atacada por um grupo de cerca de 80 supostos insurgentes que preparavam uma emboscada, segundo o comunicado do Exército dos EUA.   Os militares em terra solicitaram reforço de aviões, que bombardeou os insurgentes. Três civis foram feridos no fogo cruzado.   Os violentos confrontos foram reportados no mesmo dia em que o presidente afegão se prepara para encontrar com Bush em Nova York, onde líderes mundiais participam da Assembléia Geral das Nações Unidas.   O presidente americano quer a garantia de que Karzai está combatendo os rebeldes no país e solucionando dos problemas de segurança.   A produção de ópio no país bateu recordes neste ano, abastecendo militantes do Taleban e políticos corruptos. O Afeganistão é o maior produtor da droga no mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
Afeganistãoviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.