Mais de 2 mil em manifestação contra racismo em São Petersburgo

Mais de duas mil pessoas, incluindo jovens ativistas e estudantes africanos, realizaram uma manifestação contra organizações neofascista nesta terça-feira depois que um estudante senegalês morreu baleado em São Petersburgo.Os manifestantes, que levavam cartazes e gritavam slogans antifascistas, marcharam até o centro de São Petersburgo, onde Lamzar Samba, de 28 anos, foi baleado na saída de uma casa noturna na sexta-feira. O crime foi o último de uma série de ataques contra estrangeiros e imigrantes na Rússia. O protesto foi organizado pelo grupo Nashi, e alguns de seus membros usaram roupas negras e pintaram o rosto de branco para simbolizar unidade racial. "Tenho vergonha de morar na mesma cidade com pessoas que atacam e matam outras por causa da diferença na cor da pele ou da origem", disse a estudante Julia Kim, membro do Nashi.Houve uma briga entre um grupo de africanos e dois homens que levantaram o braço em uma saudação nazista, informou a agência de notícias Interfax. A polícia teve que separar os jovens.No começo da terça-feira, um promotor informou que a polícia havia detido um suspeito na morte de Samba. Uma arma de caça encontrada próximo à cena do crime estava decorada com uma suástica, segundo as autoridades.O suspeito continuará detido por até dez dias enquanto investigadores decidem se ele será acusado por assassinato, disse a porta-voz do escritório da Promotoria da cidade, Yelena Ordynskaya.A identidade do homem não foi revelada, mas segundo o jornal Kommersant o suspeito foi preso no sábado. Há alguns anos, a Rússia tem testemunhado o aumento da xenofobia e do racismo, particularmente em São Petersburgo, segunda maior cidade do país. Centenas já foram alvo de violência, que resultou em dezenas de mortes.Grupos de direitos humanos afirmam que as autoridades pouco ou nada fazem para combater os crimes. "A polícia local não me ajudou quando skinheads me atacaram", disse o estudante equatoriano Addis Gupra, que já foi atacado duas vezes.M

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.