Mais de 2 mil mineiros são resgatados na África do Sul

Pelo menos mil trabalhadores continuam presos em mina de ouro a cerca de 2 km de profundidade

Associated Press e Agência Estado,

04 de outubro de 2007 | 09h27

Mais de 2.000 mineiros presos numa mina de ouro em Carletonville, na África do Sul, já foram resgatados depois de passarem horas presos no local por causa de um deslizamento de terra. Equipes de resgate continuam trabalhando para salvar mais de mil mineiros que continuam presos a 2,2 quilômetros de profundidade em uma mina de ouro. Os operários resgatados nesta quinta-feira, 4, pareciam exaustos, assustados e famintos. Os mineiros estão presos desde a manhã de quarta-feira, quando o rompimento de uma tubulação de água provocou um deslizamento de terra no interior da mina. O acidente teria rompido o cabo elétrico do principal elevador que conduz à mina. Não há informações sobre mortes. O acidente ocorreu na jazida Elandsrand, da companhia Harmony Gold. Segundo a BBC, o trabalho de resgate é lento, porque só podem ser retiradas 300 pessoas por hora. Alguns dos trabalhadores estão debaixo da terra desde o turno da noite de terça-feira e, segundo relatos, estariam cansados e com fome. A porta-voz da Harmony Gold Mining, Amelia Soares, disse à BBC, no entanto, que paramédicos conseguiram chegar até o local onde os trabalhadores estavam presos e constataram que não havia feridos. Ela disse ainda que o fundo do poço onde eles estavam era bem ventilado, que eles tinham acesso a água e que não há risco de inundação no local.  No ano passado, 199 trabalhadores morreram nas minas da África do Sul, a maioria esmagada por deslizamentos de rochas, informou em setembro o Comitê de Segurança e Saúde para as Minas, do governo sul-africano.

Tudo o que sabemos sobre:
minaáfrica do sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.