Mais de 2 mil morreram no sul do Sudão em 2009, diz ONG

Médicos Sem Fronteiras contabiliza mais 250 mil refugiados por conta dos conflitos no país africano

Agência Estado e Associated Press,

14 de dezembro de 2009 | 14h59

Funcionários da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) disseram que mais de 2 mil pessoas morreram e 250 mil fugiram de suas casas neste ano por causa dos confrontos no sul do Sudão.

 

Representantes da entidade disseram que a violência é a pior vista na região deste o acordo de paz de 2005 com a área norte do país para encerrar duas décadas de guerra civil.

 

O diretor de operações do Médicos Sem Fronteiras no Sudão, Stephan Goetebghebuer, disse que ao contrário dos anos anteriores, os confrontos são mais frequentes e mulheres e crianças também são alvos da violência.

 

Karla Bil, coordenadora médica da entidade no Sudão, disse que 75% da população no sul do Sudão não têm acesso a cuidados de saúde básica, o que os expõem a muitas doenças.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.