Mais de 20 mil cérebros foram roubados de cadáveres na Grã Bretanha

Legistas que realizaram autópsias entre 1970 e 1999 extraíram mais de 20 mil cérebros, para realizar pesquisas, sem o consentimento dos familiares dos mortos.Segundo o médico Jeremy Metters, inspetor de saúde do governo, o número pode ser maior. Segundo ele, a cifra somente inclui os cérebros que estão em centros de pesquisa e universidades. Muitos poderiam ter sido tirados e destruídos logo em seguida, disse o médico. Cada cérebro valia em torno de US$ 16 para a pessoa encarregada do necrotério de um hospital.O governo britânico iniciou a investigação após a denúncia da viúva de Cyril Isaacs, que se suicidou em 1987 com depressão.Em 2000 Elaine Isaac descobriu que o cérebro de seu esposo havia sido retirado para realização de uma pesquisa. Segundo a fé judáica, um corpo deve ser enterrado intacto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.