Mais de 20 pessoas morrem em atentados em Bagdá

Explosões mataram ao menos 21 pessoas no centro de Bagdá nesta quarta-feira, e homens armados atacaram o escritório do governador na segunda maior cidade iraquiana - sinais de insegurança no coração da região xiita do país.Uma bomba explodiu no final da manhã perto a uma multidão de trabalhadores no centro do distrito de Nahda, matando oito e ferindo outras 28 pessoas.Outras duas explosões quase simultâneas de dois carros-bomba no bairro de Bab Al-Charqui, em pleno centro de Bagdá, mataram ao menos 13 pessoas e deixaram mais de 40 feridas. Todas as vítimas são civis e entre elas há vários trabalhadores das fábricas e lojas de produtos de alumínio situadas no local das explosões.A violência persiste na capital apesar do plano de segurança iniciado pelas autoridades iraquianas na semana passada, com a participação de cerca de 60 mil militares e policiais iraquianos e mais de mil de soldados americanos.O representante do Ministério da Saúde iraquiano, Adel Muhsin, afirmou que cerca de 3.500 iraquianos morreram no mês passado em conseqüência da violência sectária ou política em toda a nação. Neste período, somente em Bagdá, cerca de 1.500 pessoas sofreram mortes violentas. Muhsin disse que julho foi o mês com mais mortes desde que o conflito começou, em março de 2003. Para tentar conter o aumento da violência, comandantes norte-americanos estão enviando às pressas aproximadamente 12 mil soldados iraquianos e americanos para Bagdá.BasraAinda na manhã desta quarta-feira, fontes policiais informaram que membros armados do clã Beni Assad ocuparam a sede do Conselho Municipal depois de enfrentar agentes das forças de segurança nas ruas de Basra. Segundo as fontes, carros blindados britânicos isolaram a área na tentativa de controlar a situação.Segundo o chefe do departamento de emergência de segurança da província de Basra, general Abdel Jeder al Taher, a cidade está sob o controle da polícia e do Exército iraquianos, e acabou com qualquer tipo de presença armada.Taher disse que foi decretado um toque de recolher parcial na cidade e que alguns dos participantes do ataque à sede do Conselho Municipal foram detidos. Uma fonte de segurança, que não quis se identificar, disse que nos enfrentamentos de hoje, que duraram quase duas horas, um policial morreu e quatro agentes da ordem ficaram feridos.Os conflitos começaram depois que supostos insurgentes assassinaram Ghazi Mohammed Al Jau, um dos líderes dos Beni Assad em Basra, na segunda-feira.MossulJá em Mossul, ocorreram nesta quarta-feira conflitos armados entre a polícia e assaltantes em três vizinhanças da cidade. Ao menos cinco homens armados foram mortos e seis, presos. Os confrontos aconteceram um dia após a explosão de um carro ter matado nove pessoas próximas ao quartel-general da União Patriótica do Curdistão, alvo do atentado suicida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.