Ruth Fremson/The New York Times
Ruth Fremson/The New York Times

Mais de 20 pessoas são presas na Índia por linchamento provocado por boatos no WhatsApp

Dezenas morreram nos últimos meses no país por agressões coletivas causadas pela divulgação de notícias falsas sobre a presença de supostos traficantes de crianças

O Estado de S.Paulo

02 Julho 2018 | 08h13

NOVA DÉLHI - A polícia indiana anunciou nesta segunda-feira, 2, a detenção de 23 pessoas acusadas pelo linchamento de cinco homens no fim de semana, em uma série de novos ataques vinculados a falsos boatos que circulam no WhatsApp.

+ Boatos que circulam pelo WhatsApp levam a onda de violência na Índia

+ Macedônia, uma usina mundial de fake news

Mais de 25 pessoas morreram nos últimos meses no país por agressões coletivas provocadas por notícias falsas sobre a presença de supostos traficantes de crianças, de acordo com a imprensa local.

+ Diante da crise, uma nova fonte de renda na Macedônia

+ Plano de Macron dá 48 horas para juiz detectar fake news

O novo caso aconteceu no domingo, quando uma multidão avançou contra oito homens no Distrito de Dhule (Maharashtra), a 300 km de Mumbai.

A polícia informou que a agressão começou depois que os moradores viram um dos integrantes do grupo conversando com um menino quando este descia de um ônibus, nas proximidades de Rainpada. "Foram atacados pelos moradores que estavam no mercado de domingo e suspeitaram que eram sequestradores de crianças", afirmou M. Ramkumar, chefe de polícia de Dhule.

Três pessoas conseguiram escapar, mas cinco homens foram levados até a sede do Conselho do Povo, onde foram agredidos até a morte. As vítimas eram do distrito de Solapur, que fica 400 km ao sul do local da tragédia.

A polícia conseguiu identificar os agressores graças às imagens registradas em vídeos. Ao menos 10 suspeitos continuam foragidos.

Os sequestros de crianças são um flagelo na Índia, onde quase 90 mil menores de idade desaparecem a cada ano. Mas os boatos infundados, com sua divulgação exacerbada nas redes sociais, provocaram nos últimos meses movimentos de histeria coletiva. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.