Mais de 230 suspeitos de terror pedem asilo ao Reino Unido

Mais de 230 estrangeiros identificados como suspeitos de terrorismo pelo serviço de contra-espionagem britânico, MI5, e pela Scotland Yard conseguiram autorização para permanecer no Reino Unido como solicitantes de asilo, anuncia o jornal The Sunday Times.Segundo registros do Ministério do Interior britânico, aos quais o jornal dominical teve acesso, quase 25% das cerca de mil pessoas detidas em operações antiterroristas na Inglaterra e em Gales, desde setembro de 2001, solicitou o estatuto de refugiado. Em todos os casos, os solicitantes de asilo asseguraram que seus direitos humanos corriam perigo se fossem devolvidos a países como Argélia, Iraque e Somália.Enquanto suas solicitações são processadas, os solicitantes de asilo têm direito a benefícios sociais, como habitação gratuita e assessoria legal. Após conhecer tais dados, a oposição conservadora criticou o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, que assegurou após os atentados de 7 de julho em Londres que seu governo negaria asilo automaticamente a qualquer pessoa vinculada ao terrorismo.Segundo números do Ministério do Interior, das 963 pessoas detidas em operações antiterroristas entre setembro de 2001 e novembro de 2005, 232 solicitaram asilo no Reino Unido, 214 delas antes de serem detidas.Outras 34 pessoas foram detidas de novembro de 2005 a março passado, o que eleva o número total de detidos por terrorismo a 997, mais da metade dos quais foram libertados posteriormente sem acusações. O clérigo radical Abu Qatada, considerado o embaixador na Europa da rede terrorista Al-Qaeda, chegou ao Reino Unido como solicitante de asilo, da mesma forma que dois dos acusados pelos atentados fracassados de 21 de julho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.