Panagiotis Balaskas/AP
Panagiotis Balaskas/AP

Mais de 240 imigrantes testam positivo para covid-19 em novo campo de Lesbos

Número de contágios no campo foi um dos fatores que puxou para cima os dados gerais do coronavírus na Grécia

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2020 | 17h55

ATENAS - Mais de 240 solicitantes de asilo que vivem no acampamento provisório montado pelas autoridades gregas na ilha de Lesbos após o incêndio, no dia 9, do centro de recepção de migrantes de Moria testaram positivo para o coronavírus, anunciou a agência de saúde pública Eody, nesta segunda-feira, 21. As transferências para o novo campo começaram no dia 17. 

Um total de "243 novas infecções foram descobertas" entre as 7 mil pessoas que foram submetidas a um teste de diagnóstico, disse a agência em um comunicado.  No entanto, os testes de 120 policiais e 40 pessoas que trabalham no acampamento deram todos negativo, de acordo com as mesmas fontes.

O número de contágios no campo foi um dos fatores que puxou para cima os dados gerais do coronavírus na Grécia nesta segunda-feira, 21. O país teve um forte aumento dos casos de contágios diários - 453 frente aos 170 do dia anterior. Dos 453 das últimas 24 horas, 184 foram somente no campo de refugiados, 174 na região da capital, Atenas, e os demais 95 de outras partes do país. Segundo a Eody, o país somava um total de 15.595 casos de coronavírus. Novas seis mortes elevaram o total de óbitos a 344. 

Segundo as autoridades, as barracas do novo acampamento já hospedam a maioria dos 12.700 solicitantes de asilo deixados a céu aberto após o incêndio que devastou Moria, o maior acampamento de refugiados da Europa, localizado a apenas alguns quilômetros.

Depois de fugir das chamas, esses migrantes sobreviveram sem um teto durante dias. Dormiam nas estradas, em estacionamentos e até em um cemitério. Relutantes por medo de serem colocados em um novo Moria, os solicitantes de asilo acabaram por aceitar entrar neste novo acampamento enquanto aguardam o andamento de seus processos.

Seis jovens imigrantes afegãos foram acusados de ter provocado o incêndio. De acordo com fontes ouvidas pela agência de notícias France Presse, nenhum dos suspeitos tem mais de 20 anos.

Os campos de migrantes da Grécia devem respeitar um confinamento desde março devido aos casos de coronavírus. No entanto, o restante do país começou a levantar as restrições em maio, ainda que algumas medidas restritivas tenham sido retomadas em Atenas nesta segunda-feira. /AFP e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.