Mais de 25 mil refugiados da Somália chegam ao Quênia

Mais de 25 mil novos refugiados somalis fugiram para o Quênia, na tentativa de escapar da crescente instabilidade que domina várias áreas do sul e do centro da Somália, segundo um funcionário da ONU afirmou nesta quinta-feira. A situação é resultado do conflito entre o frágil governo da Somália e as Cortes Islâmicas. Na cidade de fronteira de Liboi (a fronteira entre os dois países tem 700 quilômetros) mais de 300 refugiados têm sido registrados diariamente há duas semanas, na agência da ONU para refugiados, segundo o órgão. A fuga começou neste ano, quando milícias islâmicas atacaram a capital, Mogadício, e desde então só aumentou. "Definitivamente estamos em uma situação de emergência. Esse influxo está levando nossas capacidades ao limite, e procuramos fundos adicionais de doadores", disse Eddie Hedalof, diretor no Quênia do Alto Comissariado da ONU para Refugiados. Muitos dos últimos a chegar vêm de Kismaio, temendo lutas entre as União das Cortes Islâmicas e os senhores da guerra que apóiam o governo interino e tem controlado a cidade. Outros fugiram de Mogadício e de Baidoa, sede do governo interino.Muitos disseram aos funcionários da ONU terem sido atacados por milícias armadas e ladrões, no caminho para o Quênia em busca de segurança. Muitas crianças e mulheres têm feito a jornada desesperada à pé, sofrendo de fome e exaustão, e dependendo de comida e água das vilas no caminho, informou a agência da ONU. Trabalhadores humanitários criaram um centro de recepção em Liboi, 500 quilômetros de Nairóbi, onde os refugiados recebem comida, água, e uma primeira assistência, para aí serem transferidos para um campo de refugiados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.