Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Arte/ estadao.com.br
Arte/ estadao.com.br

Mais de 300 africanos podem ter morrido em naufrágio na Líbia

Equipes resgatam 23 corpos e 21 sobreviventes, mas outros 251 que estavam em 3 barcos estão desaparecidos

Agências internacionais

31 de março de 2009 | 04h31

Mais de 300 imigrantes africanos que pretendiam chegar à Europa podem ter morrido após o naufrágio de três embarcações perto da costa da Líbia, segundo afirmou nesta terça-feira, 31, a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Pelo menos 23 corpos foram resgatados e a possibilidade é que os barcos tenham afundado por conta dos fortes ventos. A guarda costeira líbia conseguiu resgatar até o momento 21 dos ocupantes das três embarcações, enquanto outros 251 se encontram desaparecidos.

 

Segundo declararam os sobreviventes, cerca de 300 ilegais tinham embarcado em três barcos na noite do sábado em uma praia próxima a Trípoli para tentar chegar ao sul da Europa. O jornal local Oea indica ainda que, em uma operação diferente realizada na segunda-feira, a guarda costeira conseguiu resgatar outros 350 clandestinos. A embarcação, onde viajavam pessoas sem documentos de diferentes nacionalidades, tinha naufragado perto das costas da localidade de Bouri.

 

Segundo o porta-voz da Organização Internacional de Migrações (OIM), Jean-Phillipe Chauzy, após receber informação de "muitas saídas de embarcações da Líbia nas últimas 36 horas", foi confirmado que "até três navios afundaram" e que é "muito possível que tenham desaparecido até 300 pessoas". O representante da OIM afirmou que tais informações foram confirmadas por fontes diplomáticas europeias em Trípoli.

 

O porta-voz ressaltou que esse tipo de embarcação utilizada na imigração clandestina "não conta com equipamentos de sobrevivência, salva-vidas nem botes infláveis, de modo a poder levar mais gente a bordo, o que reduz as possibilidades de que se encontre sobreviventes".

 

Embora não tenha dado informação precisa, o Ministério do Interior líbio confirmou também a tragédia, segundo o porta-voz. De acordo com ele, apesar de que o mar estava relativamente tranquilo, um forte vento soprava na zona, o que teria feito com que os navios com excesso de peso tombassem.

 

A Líbia é um tradicional ponto de embarque para migrantes africanos que tentam chegar clandestinamente à Europa. Em fevereiro, Trípoli assinou um acordo com a Itália, que fica no outro lado do Mediterrâneo, para intensificar o combate ao fluxo ilegal de migrantes para o sul da Europa.

 

Centenas de milhares de migrantes ilegais de vários países africanos vivem na Líbia, fazendo trabalhos esporádicos até que consigam juntar dinheiro suficiente para pagar aos atravessadores por um lugar em um barco que os leve à Itália, segundo as autoridades líbias.

 

Matéria atualizada às 7h35.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.