Mais de 300 mil pessoas passam fome em Moçambique

O ministro da Agricultura de Moçambique, José Pacheco, disse que mais de 300 mil pessoas no país passam fome no país este ano. Falando à estação de rádio estatal no domingo, Pacheco afirmou que a penúria, que afeta principalmente as regiões central e sul de Moçambique, foi causada por vários fatores, incluindo seca, enchentes e pragas de insetos. As lavouras também estão sendo destruídas por animais selvagens, como elefantes e hipopótamos.

AE, Agência Estado

03 de março de 2014 | 14h53

Pacheco disse que o governo está desenvolvendo mecanismos para ajudar agricultores a produzir mais alimentos. Entre eles, está a organização de pacotes de ajuda financeira para estimular a compra de fertilizantes e implementos agrícolas e contribuir na disseminação da irrigação. O governo também obteve US$ 100 milhões do Brasil para máquinas agrícolas destinadas a impulsionar a produção agrícola no país.

Enquanto isso, no terreno político, líderes do governo moçambicano e do principal grupo de oposição, o ex-movimento rebelde Renamo, afirmaram que há uma necessidade urgente de encerrar o conflito entre os dois lados. Nesta segunda-feira, representantes de ambas as partes participavam de discussões sobre o tema na capital do país, Maputo. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Moçambiquefomeagriculturapacheco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.