Mais de 300 pessoas são presas no Egito após confronto

Promotores do exército do Egito prenderam mais de 300 manifestantes em seguida a confrontos do lado de fora do Ministério da Defesa sob acusação de atacar tropas do governo e tumultuar a ordem pública. A advogada Ragia Omran afirmou que essa é uma das maiores detenções em massa resultante de violentos protestos durante a problemática transição do governo do país.

AE, Agência Estado

05 Maio 2012 | 11h23

Os detidos, que incluem 18 mulheres, estão sendo interrogados por promotores do exército e podem enfrentar julgamentos militares, segundo Omran. O confronto irrompeu ontem, durante uma tentativa dos manifestantes de marchar para o Ministério da Defesa. Um soldado teria sido morto e mais de 300 pessoas passaram mal por causa de bombas de gás lacrimogêneo, além de terem sofrido ferimentos por pedras e fogo. Cerca de 140 soldados triam ficado feridos. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Egitoconfrontoprisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.