REUTERS/Abdalrhman Ismail
REUTERS/Abdalrhman Ismail

Mais de 4,8 mil pessoas morreram na Síria nos últimos 20 meses

Em razão dos bombardeios da aliança internacional contra o grupo Estado Islâmico, mais de 400 civis perderam suas vidas, incluindo 111 crianças e 70 mulheres

O Estado de S. Paulo

24 Maio 2016 | 12h30

BEIRUTE - Ao menos 4.885 pessoas morreram na Síria nos últimos 20 meses desde o início dos bombardeios da coalizão internacional contra o grupo terrorista Estado Islâmico (EI), informou nesta terça-feira, 24, o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH). Destes, ao menos 417 eram civis, entre os quais havia 111 crianças e 70 mulheres.

O maior massacre de civis realizado por aviões da aliança aconteceu entre 30 de abril e 1º de maio de 2015 na aldeia de Bir Mahali, ao sul de Kobani, onde ao menos 64 moradores morreram.

Do lado dos jihadistas, pelo menos 4.312 combatentes perderam suas vidas, a maioria de nacionalidade estrangeira, pelos ataques da aliança internacional contra suas posições em distintas partes da Síria.

Entre os mortos, está o dirigente militar dos radicais, Abu Omar al Shishani, que morreu após um bombardeio em março.

A coalização tem atacado não apenas membros do Estado Islâmico, mas também de outras organizações, como da Frente Al-Nusra (filial síria da Al-Qaeda), que já perdeu 136 soldados. /EFE

Mais conteúdo sobre:
bombardeios Síria mortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.