AFP PHOTO / George OURFALIAN
AFP PHOTO / George OURFALIAN

Mais de 4 mil combatentes são retirados do leste de Alepo durante madrugada

Número total de pessoas transferidas chega a aproximadamente 34 mil; operações têm sido prejudicadas por nevascas e ventos fortes

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2016 | 11h17

GENEBRA - Mais de 4 mil combatentes foram retirados durante a noite do leste de Alepo, sob um acordo entre os lados em conflito supervisionado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC) e pelo Crescente Vermelho Árabe Sírio, informou o ICRC nesta quinta-feira, 22.

"Durante a noite entre quarta-feira e quinta-feira, em um dos últimos estágios da retirada, mais de 4 mil combatentes foram retirados em carros particulares, vans e caminhonetes do leste de Alepo para o oeste rural de Alepo, conforme o acordo alcançado entre os diferentes lados", disse a porta-voz do ICRC Krista Armstrong.

A ação eleva para cerca de 34 mil o número total de pessoas retiradas do distrito em uma operação de uma semana, prejudicada por nevascas e ventos fortes. "A retirada irá continuar pelo dia inteiro e noite, e provavelmente amanhã. Milhares ainda devem ser retirados", acrescentou a porta-voz.

O presidente da Síria, Bashar Assad, afirmou que a retomada de controle total da cidade de Alepo foi uma vitória para seus aliados russos e iranianos, e para seu próprio país. Em comentários após um encontro com uma delegação iraniana, o líder também disse que sucessos no campo de batalha são "um passo básico na estrada para o fim do terrorismo no território sírio inteiro e na criação das circunstâncias corretas para uma solução para terminar a guerra".

Os bombardeios da aviação russa na Síria permitiram "liquidar" 35 mil combatentes desde o início de sua intervenção, em setembro de 2015, anunciou o ministro da Defesa, Serguei Shoigu. "A aviação russa realizou 17,8 mil ataques aéreos, atingiu 71 mil vezes as infraestruturas dos terroristas, liquidando 725 campos de treinamento, 405 fábricas de explosivos, 1,5 mil equipamentos militares e 35 mil combatentes, incluindo 204 comandantes", enumerou Shoigu.

A Força Aérea da Rússia realizou diversas operações que destruíram partes rebeldes de Alepo, enquanto milícias apoiadas pelo Irã e lideradas pelo Hezbollah libanês levaram milhares de combatentes a confrontar rebeldes nas principais frentes da cidade. / REUTERS e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.