Channi Anand/AP
Channi Anand/AP

Mais de 500 pessoas morrem por onda de calor na Índia

Maior parte das vítimas morava no Estado de Andhra Pradesh; segundo governo, altas temperaturas devem durar mais 3 ou 4 dias

O Estado de S. Paulo

25 de maio de 2015 | 16h00

NOVA DÉLHI - Pelo menos 539 pessoas morreram desde quarta-feira nos estados de Telangana e Andhra Pradesh, no sudeste indiano, por causa de uma onda de calor que levou os termômetros na região até os 48 graus, disseram nesta segunda-feira, 25, fontes oficiais.

Porta-vozes dos departamentos regionais de Gestão de Desastres situaram o número de mortos em Andhra Pradesh em 325 e em Telangana em 186. Também ocorreram mortes em Uttar Pradesh e Odisha.

Segundo Tulsi Rani, do departamento de Gestão de Desastres de Andhra Pradesh, a maioria dos mortos eram maiores de 50 anos, advertindo que as previsões são que as altas temperaturas continuem durante os próximos três ou quatro dias.

O diretor do centro meteorológico de Hyderabad, capital compartilhada desses dois Estados, explicou ao jornal local "Hindustan Times" que a onda de calor que afeta a região desde a quarta-feira se deve à confluência de um "ar seco" do noroeste e uma área de pressão atmosférica relativamente baixa no leste.

Um representante do governo de Telangana, B.R. Meena, assinalou ao "Indian Express" que a maioria dos mortos "estavam expostos ao calor enquanto trabalhavam" e que "a desidratação e o calor causaram as mortes".

Por sua vez, o governo de Andhra Pradesh assegurou ao mesmo jornal que os mais afetados pela onda de calor são "idosos, pessoas que fazem trabalhos por um dia, mendigos e os sem-teto". 

O governo cancelou a saída de todos os médicos, à medida que os hospitais estão cheios de casos relacionados ao calor, disse, acrescentando que a compensação de 1.575 dólares será dada para as famílias dos mortos. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaonda de calor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.