Mais de 500 turistas estrangeiros são resgatados após deslizamento no Nepal

O deslizamento, que aconteceu na manhã de sábado no distrito de Sindhupalchowk, deixou uma trilha de destruição

GO, REUTERS

04 de agosto de 2014 | 11h09

Mais de 500 turistas estrangeiros e seus guias foram resgatados após um deslizamento de terra no Nepal ter bloqueado uma grande rodovia, deixando-os isolados em uma cidade fronteiriça no fim de semana, disseram representantes nepaleses nesta segunda-feira.

O deslizamento, que aconteceu na manhã de sábado no distrito de Sindhupalchowk, deixou uma trilha de destruição. Pelo menos 33 pessoas morreram e mais de 130 estão desaparecidas.

Os grupos de turistas, a maioria indianos e europeus, estavam voltando a Katmandu após expedições no Tibete, na China, quando fortes chuvas provocaram o deslizamento, bloqueando a rodovia de Arniko, que dá acesso à capital, e forçando-os a se refugiar na cidade de Tatopani, fronteira entre o Nepal a região do Tibete.

Autoridades disseram que mais de 400 turistas e seus guias foram transportados de helicóptero para Katmandu no domingo, e outros 200 foram retirados nesta segunda-feira.

“Eles estavam preocupados e confusos. Mas agora estão muito aliviados e confortáveis”, disse o representante da Associação das Operadoras Aéreas, Yog Raj Kandel, à Reuters.

Esta é a temporada de pico para os turistas que fazem caminhadas e alpinismo no Tibete. Milhares de pessoas visitam a região do Himalaia.

O Nepal, que abriga o Monte Everest e 8 das 14 mais altas montanhas do mundo, situadas acima de 8 mil metros, é um dos países mais pobres do mundo. Quatro por cento do Produto Interno Bruto (PIB) do país vem do turismo.

O desastre também provocou o temor de inundações - inclusive na vizinha Índia - após bloquear o rio Sunkoshi, formando um lago artificial.

Tudo o que sabemos sobre:
NEPALDESLIZAMENTOTURISTAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.