Mais de 60% dos japoneses quer que Kan renuncie antes de 31 de agosto

Pesquisas indicam que 49% dos consultados querem que o primeiro-ministro do Japão renuncie o mais rápido possível e 16% acredita que ele deveria renunciar antes de terminar agosto

Efe,

01 de agosto de 2011 | 02h14

Índice de popularidade do governo de Naoto Kan caiu 19%

 

 

TÓQUIO - Sessenta e cinco por cento dos japoneses querem que o primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, renuncie antes que acabe este mês, segundo uma pesquisa publicada nesta segunda-feira, 1, pelo jornal econômico Nikkei.

 

Os resultados da pesquisa, realizada este fim de semana, indicam que 49% dos consultados quer que Kan renuncie o mais rápido possível e 16% acredita que deveria renunciar antes de terminar agosto.

 

A percentagem total dos que desejam que o primeiro-ministro do Japão deixe seu posto antes do dia 31 de agosto subiu cinco pontos em relação ao mês passado.

 

O índice de popularidade do governo de Kan caiu para 19%, a primeira vez que um gabinete do Partido Democrata (PD) baixa de 20%, enquanto a percentagem de gente que desaprova o atual Executivo subiu para 73%.

 

Cinquenta por cento dos consultados, 3% mais que no mês passado, acredita que o uso da energia nuclear deveria ser reduzido no futuro, contra 24% que crê que deveria se manter nos níveis atuais e 21% que deveria ser abandonada totalmente.

 

No entanto, 53% considera que os reatores nucleares japoneses parados desde o acidente na usina de Fukushima deveriam ser reativados, uma vez que as inspeções garantam que são seguros, enquanto 38% não quer que retomem sua atividade.

 

A respeito dos planos de reconstrução do governo para as regiões mais afetadas pelo terremoto e o tsunami do dia 11 de março, 59% se mostra propício a uma alta temporária de impostos para financiar o processo, contra 32% que se opõe.

Mais conteúdo sobre:
Naoto KanJapãorenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.