Hannah McKay / Reuters
Hannah McKay / Reuters

Mais de 70 deputados britânicos pedem extradição de Assange à Suécia

Em carta, parlamentares afirmam que, caso as autoridades suecas solicitem a medida, ela ‘permitiria encerrar a investigação sobre uma acusação de estupro’

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2019 | 11h43

LONDRES - Mais de 70 parlamentares britânicos assinaram uma carta na qual pedem ao governo que faça todo o possível para permitir a extradição de Julian Assange à Suécia, caso as autoridades suecas solicitem a medida.

O fundador do WikiLeaks foi detido na quinta-feira na embaixada do Equador em Londres, onde havia obtido asilo há sete anos para fugir de uma ordem de detenção britânica por acusações de estupro e agressão sexual na Suécia - que Assange sempre negou -, um caso arquivado desde então, mas cuja demandante deseja a reabertura das investigações.

O australiano de 47 anos foi igualmente detido em relação a um pedido de extradição dos Estados Unidos, país que considera Assange uma ameaça a sua segurança e quer julgá-lo.

Os deputados querem que o ministro britânico do Interior, Sajid Javid, dê prioridade à possível solicitação de extradição da Suécia. "Escrevemos para pedir que faça todo o possível para apoiar uma ação que garantirá que Julian Assange possa ser extraditado à Suécia, caso ela solicite a extradição", afirmam os parlamentares em uma carta enviada ao ministro e compartilhada no Twitter pela deputada trabalhista Stella Creasy.

"Isto permitiria encerrar a investigação sobre uma acusação de estupro e, se for adequado, apresentar acusações e organizar um julgamento", acrescentaram os deputados.

Os parlamentares, que afirmam ao mesmo tempo que isto "não pressupõe a culpa" de Assange, consideram que a denunciante deve "ver a justiça acontecer". A carta indica que a acusação de estupro tem um "limite de tempo que expira em agosto de 2020".

O documento foi enviado também a Diane Abbott, ministra do Interior do gabinete do Partido Trabalhista, o principal da oposição. "Nenhuma acusação de estupro apresentada pelas autoridades suecas deveria ser ignorada", escreveu ela no Twitter. "Mas o único pedido de extradição vem dos EUA", destacou, antes de lembrar que o Partido Trabalhista é contrário a esta solicitação.

Julian Assange enfrentava a possibilidade de uma condenação a seis anos de prisão. Ele foi apresentado na quinta-feira a um tribunal londrino, poucas horas depois da detenção, e declarado culpado por fugir da Justiça, um delito que pode ser punido com um ano de prisão. A sentença deve ser anunciada em breve. O pedido de extradição americano será examinado em uma audiência no dia 2 de maio. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.