Arnold Gold / New Haven Register / AP
Arnold Gold / New Haven Register / AP

Mais de 70 pessoas sofrem overdose em parque próximo à Universidade de Yale, nos EUA

Autoridades acreditam que o motivo seja um lote contaminado de maconha sintética conhecida como K2; vítimas foram encaminhadas a hospitais e não houve registro de mortes

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2018 | 06h54

NEW HAVEN, EUA - Mais de 70 pessoas sofreram overdose em apenas 24 horas em New Haven, no Estado americano de Connecticut, perto da Universidade de Yale. As autoridades acreditam o motivo seja um lote contaminado de maconha sintética conhecida como K2.

As pessoas começaram a apresentar os sintomas na manhã de quarta-feira, 16. Algumas desmaiaram, vomitaram e outras sentiram náuseas. A maioria recebeu atendimento em hospitais próximos e não houve registro de mortes.

Policiais e bombeiros disseram que a K2 foi misturada com algum tipo de opioide. A médica Kathryn Hawk, do Departamento de Emergências do Hospital New Haven de Yale, disse a um jornal local que o Drug Enforcement Administration (DEA) - órgão antidrogas dos EUA - confirmou que as drogas continham K2 misturada com fentanil, um opioide sintético 50 vezes mais poderoso que a heroína.

A polícia local prendeu uma pessoa suspeita de ligação com a overdose em massa. O chefe do departamento, Anthony Campbell, o identificou como um homem conhecido das autoridades por ligação com drogas. Ele foi encontrado em posse de uma substância a qual acredita-se ser K2.

Perigo

Oficiais federais lançaram em julho um alerta sobre a propagação da maconha sintética pelos EUA. Nos últimos meses, a K2 levou centenas de pessoas em cerca de dez Estados ao hospital, algumas vezes com sangramentos graves. Muitas morreram em razão de complicações.

“A mensagem precisa ser muito clara para as pessoas de que a qualquer momento que você usar uma droga sintética, não terá ideia, assim como vimos hoje, do que está tomando e como ela te afetará”, disse o policial David Hartman.

A maioria das pessoas que sofreram overdose na quarta-feira em New Haven eram de baixa renda ou sem-teto, explicou Hartman a uma emissora local. As autoridades acreditam que “alguém estava distribuindo essas drogas” na região.

Mortes

As overdoses mataram 72 mil americanos em 2017 no país. A maioria das vítimas consumiu drogas vendidas legalmente, o que especialistas relacionam ao excesso de prescrições de opioides. São 197 mortos por overdose por dia, um a cada 7,3 minutos, o que torna a crise de opioides a mais letal da história dos EUA, segundo dados preliminares do Centro de Controle de Doenças. / Washington Post, AP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.