Mais de 99% votaram por independência do Sudão do Sul, apontam parciais

Primeiros resultados completos foram divulgados no domingo; números finais saem em fevereiro

BBC Brasil, BBC

30 de janeiro de 2011 | 11h03

JUBA - A Comissão Eleitoral do Sudão informou que um total de 99,57% dos eleitores que participaram do referendo sobre a emancipação do sul do Sudão votaram pela independência da região.

Estes são os primeiros resultados completos e os resultados finais e oficiais do referendo realizado entre os dias 9 e 15 de janeiro devem ser divulgados em fevereiro.

De acordo com o site da Comissão Eleitoral foram 3.851.994 votos durante o referendo. Cinco dos dez Estados da região sul do país tiveram 99,9% dos votos a favor da separação.

As primeiras contagens de votos já mostravam que os eleitores tinham votado pela separação do sul. O presidente sudanês, Omar al-Bashir, afirmou que vai aceitar os resultados.

Se o resultado for confirmado, o sul do Sudão deve declarar sua independência formalmente no dia 9 de julho.

Acordo de paz

O referendo histórico foi parte de um acordo de paz assinado em 2005, que pôs fim a décadas de guerra civil entre o norte sudanês, majoritariamente muçulmano, e o sul, onde predominam o cristianismo e outras religiões.

O sul do Sudão é uma das áreas menos desenvolvidas do mundo e grande parte de sua população reclama do governo sudanês.

De acordo com o correspondente da BBC na capital, Cartum, James Copnall, a independência do sul agora parece inevitável.

No entanto, apesar de muitos sudaneses do sul comemorarem os primeiros resultados do referendo, ainda há problemas como o subdesenvolvimento e os conflitos entre etnias.

E há também a difícil negociação sobre a divisão dos recursos econômicos entre o norte e o sul, que tem a maior parte do petróleo do país.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
sudãoreferendodarfurcartum

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.